domingo, 20 de agosto de 2017

Análise semanal – Hinomaru Zumou #87 - #97

Aquele combo para compensar o atraso e celebrar o novo arco. E, sinceramente, que início!
Bem galerinha, promessa é dívida. Prometi semana passada e, por inúmeros fatores, atrasei, mas dessa vez tudo cooperou e eis que volta a análise sobre aquele mangá de sumô que o público não dá muito por ele, porém é um excelente mangá esportivo!
Sim, hoje voltamos com a análise de Hinomaru Zumou e, logo de cara, quero adiantar que, até alcançar a tradução, essa análise será feita em combos. Esses combos vão variar entre 10 a 15 capítulos, dependendo mais do tempo que tenho a disposição para leitura. É válido já avisar que eles podem sair todo dia como dia sim, dia não. Então apenas sigam acompanhando e vendo os updates que dou.
Enfim time, sem mais delongas vamos comentar sobre esses capítulos porque eles estão muito empolgantes e interessantes. Let’s Go!

Capítulos #87 ao #97

Sinceramente, vivo dizendo que faz falta ler Hinomaru Zumou, mas também vivo cedendo a preguiça e protelo o lazer que é ler esse mangá. Sendo até mais pensador nesse início, ler o início desse novo arco me fez recuperar o gás que eu havia perdido na leitura, porque ele fez eu, novamente, ser ganho pela qualidade de narrativa do Kawada.
Sei que muitos que acompanham o Dollars e costumam ler minhas análises ainda não devem, sequer, ter cogitado iniciar a leitura de Hinomaru Zumou. Acredito eu que isso se deva, em especial, por ser um mangá que trata sobre sumô e, na nossa concepção, esse é um esporte estranho e diferente do nosso cotidiano.
Devido a isso, começo essa análise com um apelo: se você ainda não acompanha a série, para de ler aqui, corre lá e vá ler todos os capítulos que a série possuí. Você não vai se arrepender, em especial porque essa é uma obra que, apesar do pouco valor, possuí uma qualidade digna de grandes obras. Esse é um mangá que vale a leitura e o tempo.
Enfim, vamos falar dos capítulos, porque tem coisa demais para comentar (acredito eu) e muito para surtar. Porque sim, eu surtei MUITO lendo cada um dos capítulos desse combo da vez, sendo até mais despojado, admito que em muitos momentos virei a página com uma empolgação dobrada e – de quebra – aumentei mais um capítulo nessa leva, pois originalmente ela só iria até o 96.
De tantas coisas que tenho para falar creio que, dessa vez, seja justo eu começar abordando toda a questão que me fez pensar mais sobre o carinho que tenho pela obra. Comecemos falando sobre a evolução que o autor nos traz nesses capítulos.
Não nego que, dentre várias coisas, um dos pontos que considero mais positivo na série, desde sempre, seja o fator personagens que vivem em constante mudanças, porém nesse ponto é onde ele mais mostra que – contrariando todas as possibilidades – até os mais fracos tendem a se fortalecerem e conseguir surpreender a todos. Não digo isso apenas para fazer graças e sim porque é latente o quanto ele mostra que os personagens amadurecem, seja na evolução de porte físico do Kei até na maturidade de pensamento que todos da equipe ganham. Tudo ali é feito de um modo que você, leitor, perceba que aqueles personagens aprimoraram seus espíritos enquanto aprimoram seus corpos e técnicas.
São momento que, de modo geral, parecem simples, mas se completam de um modo bem elaborado e divertido, chegando a render momentos cativantes como no final do capítulo 97, quando o Ozeki diz para o Hinomaru que todos ali lutam pelo mesmo ideal ou no capítulo 89 onde vemos o Kei encorajando o Kirito para que ele não abandone seus ideais e, ainda assim, lute! São momentos assim que tornam esse início de arco algo com um gás a mais e nos motiva a acompanhar.
Por falar em motivos para acompanhar, também temos a aparição dele, sim aquele que é o monstro entre os tesouros nacionais. Enfim vemos Tennouji e, de quebra, conseguimos sentir a tensão de um confronto entre ele e o Hinomaru.
A primeira aparição o Tennouji, efetivamente, já surpreendeu e, positivamente, conseguiu gerar aquele ar de rival há anos luz do protagonista. Você consegue comprar a ideia que esse é o cara que está no topo do sumô estudantil e que ele é o campeão invicto. Há esse temor de imbatível exalando dele e o Kawada faz questão de nos mostrar isso no primeiro diálogo que vemos sendo proferido por ele.
Mais do que isso, em todas as aparições dele pós capítulo 90, sentimentos que ele realmente é alguém a se respeitar e temer. Assim como sentimos, em escala tão grande quanto, que todos os outros tesouros querem supera-lo durante essa primeira leva do torneio, que é individual.
E é nessa primeira leva que temos um confronto que já deixa todos surpresos e querendo mais. É aqui que temos Hinomaru vs Tennouji, em um confronto que é duro, é cheio de adrenalina e muito bem trabalhado. Nada aqui é mal aproveitado ou jogado ao léu. Você chega até a se confundir sobre o resultado final, ficando tenso até o último minuto – ao menos assim fiquei e ainda estou -, mas no fim vem o anuncio e toda ideia de continuação se segue. Aqui entendemos mais sobre o inferno que é não ser no padrão necessário, pois vemos o quão difícil é se chegar longe quando o mundo duvida de você. É desesperador e, sem a devida orientação e ajuda, você nunca se levantará ou irá superar, mas aqui há essa superação e evolução. E isso não poderia ser melhor, em termos de roteiro.

O capítulo 97 termina com uma promessa que, por vários fatores, sabemos que poderá ser cumprida – em especial porque shounen de esporte costuma funcionar assim -, entretanto só saberemos os desdobramentos disso no capítulo seguinte que, convenientemente, só estará na próxima análise. Então, até lá gente. 
Postar um comentário

Follow by Email