domingo, 31 de dezembro de 2017

Editorial – Minhas considerações sobre 2017

Algumas considerações sobre o ano que se finda, com acréscimo de alguns tópicos que fogem do habitual. Em suma, um mini texto de pensamentos do editor.
Enfim 2017 chega ao fim. Foi um ano complicado, cheio de correria, com várias novidades interessantes e, acima de tudo, atestou que não existe impossível no vocabulário deste blog que, cada dia mais, segue para uma possível expansão de conteúdo neste vindouro ano de 2018.
Mas, uma coisa de cada vez. Um parágrafo por ideia e vamos desenrolando tudo que tenho para dizer, pois acho que serão muitas coisas para compartilhar, algumas que irei explicar melhor no decorrer dos próximos dias, mas embarquem comigo nesse editorial e vamos nessa.
Primeiramente, quero agradecer a todos. Assim, a todos mesmo, desde você que acessa o blog com frequência e gosta dos meus textos – e dos outros membros também -, até você que está entrando aqui pela primeira vez (quer seja por curiosidade, porque viu o compartilhamento no face ou porque eu mandei o link); acredito que sem você eu não estaria escrevendo um texto sobre meus pensamentos deste ano. Ainda mais depois de ver o quanto mudei nas ideias ao longo desses 12 meses.
Pequena parte do que estou fazendo nesse fim de ano
Foi engraçado começar o ano escrevendo análises de uns 6 animês da season e acabar já mirando na próxima temporada de Janeiro com o mesmo número de obras; além disso, foi legal reparar em como fui aprendendo a fazer análises. Como fui tendo ideias para diversificar os textos do blog. Mesmo que algumas ideias eu ainda não tenha postado, em breve vocês terão mais conteúdo, até porque essa é a ideia básica. Seguir com textos diversificados e algumas ideias como migrar para outros tipos de mídia, quer seja podcast ou vídeo; claro que tudo dependerá do tempo hábil que terei disponível, contudo a ideia inicial é já iniciar algumas novidades ainda na primeira quinzena de Janeiro.
Segundo lugar, quero dizer que – oficialmente – estou mudando a data de aniversário do Dollars. Não entendam errado, a primeira versão do blog se iniciou em meados de Dezembro de 2011 – o Facebook me lembrou disso esses dias -, porém essa nova versão começou em Março/Abril de 2016, logo não posso ficar me apegando ao passado e ignorar que as obras passadas são frutos de várias pessoas que, em muitos casos, não se encontram mais na nova staff. Logo, seguirei honrando o legado deixado (ou não né, já que não sou tão engraçado), mas não vou ficar apegado às glórias passadas. O que passou, passou e hoje é um novo caminho para o futuro.
Outro ponto que quero destacar é que, sinceramente, esse ano valeu muito a pena, pois aprendi bastante com pessoas que, honestamente, são incríveis. Até me deram certo embasamento para algumas das ideias que tive, como uma coluna só para músicas (mas ainda estou decidindo o formato para ser adotado).
Entretanto, o que mais quero frisar aqui – além dos agradecimentos – é que, realmente, este ano foi um teste para mim, em todos os aspectos e por ser último editorial (serei condenado por isso que virá a seguir? Sim, mas acho válido) acredito que seja válido abrir um pouco do que passei com relação ao Dollars e ao progresso das coisas.
Vamos deixar claro que eu não sou nenhum ser de aço. Apesar de parecer que sou alguém que sempre está de bem com a vida, sempre otimista... eu também já pensei em desistir. Já pensei em largar tudo. Sumir e simplesmente deixar ao Deus dará. Claro que também já pensei em acabar com tudo. É o caminho mais fácil, mas não é o caminho que me guiará para o que vejo como objetivo de ter retomado o Dollars.
É apenas um desejo egoísta que, graças a Deus, não alimentei e segui minha luta. Luta contra o sono, o cansaço, a falta de ideias, a moleza e afins. Fiz isso não por mim, mas por quem acompanha e lê porque sei o quanto é bacana ter uma opinião sobre aquela obra que, às vezes, você acredita ser o único a curtir. Sem contar que, desde a primeira versão, sempre fui a pessoa que mais ia de cara assistir e ler de tudo. É na cara e coragem que fui seguindo, em especial quando decidi – lá em 2015 – parar de ser taxativo e acompanhar, pelo menos o começo, de tudo. Foi uma boa lição para mim e, graças a isso, aprendi mais. Entendi um pouco mais e isso me ajuda a querer crescer mais como escritor de textos para o site (vamos abolir o termo “blog”, porque isso será um site logo menos).
Confesso que teve textos que escrevi babando de sono (Pokémon... cof), mas ainda assim mantive meu ânimo e aqui estamos – mas, como sou filho de Papai do Céu, tive que tirar um período sabático pós ressaca friends. Estamos com toda energia e gás para o que virá a seguir, a mesma que mantive no começo e só aumenta. Até porque, sendo bem franco, toda área de cultura pop oriental é tão vasta que dá vontade de explorar cada vez mais e trazer vários textos, mas nem sempre é possível – porque o dia tem 24 horas e eu tenho uma série de compromissos, frutos da vida adulta.
Aquela foto do Ressaca que acho válido encaixar aqui.
Enfim, como costumo fazer, vou apenas arranhar essas questões mais básicas, até porque esse ano foi, em suma, intenso. Aprendi muito, amei muito também, vi muitas obras interessantes e voltei a trabalhar nas pautas e conteúdos para a volta do podcast (que está difícil arrumar tempo para gravar, mas fé no Pai que logo saí).
No mais, apenas quero agradecer, novamente, a todos que acompanham o trabalho ou seguem lendo meus textos – isso de um modo geral – e também esclarecer o que disse lá em cima (e preciso fechar de uma maneira legal). Não há o impossível quando queremos muito algo e, sinceramente, quero muito seguir fazendo o Dollars ser mais que um simples site de cultura pop, quero conseguir apresentar coisas novas, evidenciar as que estão/estarão em destaque e trazer aquelas obras que são esquecidas. É um trabalho árduo, mas é assim que fica mais divertido e vale mais a pena, afinal o que seria de nós sem os desafios? O que seria de mim sem toda essa correria que o Dollars me proporciona há quase dois anos desde que assumi tudo?
Então, não tenho do que reclamar, só tenho a agradecer e pedir para que vocês sigam acompanhando, pois tem muita coisa bacana vindo aí – só preciso tirar um tempo maior para pautar e publicar tudo, mas sei que conseguirei.

Obs: Quero apenas deixar um presente legal para vocês e, nos próximos dias, pretendo republicar todos os casts antigos que possuo e abrir um feed só para eles. Aí vocês poderão matar as saudades de alguns dos temas que vocês curtem ou querem ouvir sobre.
Postar um comentário

Follow by Email