domingo, 11 de fevereiro de 2018

Estante do Dollars – Suicide Club

Uma prova viva de que, às vezes, obras baseadas em filmes originais podem render frutos ainda melhores que sua base; em especial quando o responsável gosta do perturbador.
Antes de qualquer coisa, quero apenas adiantar que o texto de hoje – para mim – já entrou na lista de obras com alguma maldição no Dollars, porque desde que tentei fazê-lo a primeira vez, algo de estranho aconteceu. Mas, dessa vez, superando toda sina possível, estou vindo para trazer esse texto para vocês – até porque, pudera demorar tanto e não falar sobre essa obra bacanuda -.
Então, sem mais delongas, hoje iremos abrir os trabalhos do estante do Dollars falando sobre Suicide Club, mangá de Usamaru Furuya que adapta livremente o filme de mesmo nome. Então, se acomodem e venham conferir minhas impressões sobre essa obra deveras interessante; contudo lembrem-se, é preciso estômago forte para seguir adiante.

Sinopse:

Esta é a macabra história do suicídio coletivo de 54 garotas, todas estudantes. Elas se atiram na frente do metrô, causando enorme comoção pública. Uma série de outras mortes de grupos espalhados por todo o país deixa a equipe do detetive Kuroda em pânico. Eles correm contra o tempo e as pistas mais atrapalham do que ajudam. Neste suspense de alto teor psicológico nada é tão simples como parece.

Considerações gerais:

Escrito e ilustrado por Usamaru Furuya, a obra – também chamada de Jisatsu Circle, no original - foi lançada em 9 de março de 2002 e se inspira, de forma livre, no filme de mesmo nome dirigido por Sion Sono. Composta por 6 capítulos, temos uma trama que usa o mesmo fundo base do filme – que também foi lançado no Brasil, onde recebeu o nome de O Pacto (que eu NÃO IREI REASSISTIR PARA ESCREVER REVIEW ATÉ SEGUNDA ORDEM. Meu estômago não é tão forte a esse ponto) -, porém toma diversas liberdades criativas, com autorização do próprio Sion.
Vale como adendo que o filme foi lançado em 20 de março de 2002, ou seja o mangá saiu cerca de 11 dias antes para servir de divulgação; apesar de não envolver o mangá, cabe citar que o filme possuí uma continuação (que só descobri agora) que foi lançada em 2006 com o título de “Noriko's Dinner Table”.
Mas, voltando ao mangá; como dito anteriormente a obra bebe muito do conceito de sua contraparte em filme, porém aqui o conceito é mais fechado e menos aberto a várias interpretações, porém ainda conseguimos ter vislumbre da tensão e bizarrice que a obra carrega em si, e, boa parte disso é fruto da mente do Furuya-sensei que consegue, de um modo bem interessante nos fazer imergir no imenso mar escuro que é essa obra.
Tudo aqui é criado de uma forma que vai te chamar atenção no sentido mais cruel da palavra, desde a primeira cena até o desfecho da obra, todo enredo nos faz ver o quão forte é o laço que envolve a seita do suicídio e, mais do que isso, como a influência da líder é passada. Não pretendo entrar em spoilers de como tudo se desenvolve, mas a crescente que o autor trabalha aqui é tão perturbadora quanto no filme original – até porque, como o mesmo diz no freetalk que está no fim do encadernado, ele gosta de histórias trágicas envolvendo grupos -; além disso ele também nos dá um foco mais sobrenatural a tudo que ocorre, o que nos leva a sentir a tensão ainda maior percorrendo as páginas do mangá.
É também válido citar que, como todo bom mangá de horror, o final é um choque e um plot twist ao mesmo tempo, em especial porque – aqui – o inspetor Kuroda saca tudo um pouco mais rápido, o que nos entrega um desfecho “aparentemente” mais claro; contudo é válido falar que a peça principal da história, que é a Saya (ou Mitsuko), consegue ser uma personagem que evolui bem e, de modo geral, mais nos ajuda a ter uma noção do nível de horror que é essa seita (afinal, o suicídio sempre será coletivo, todavia uma das garotas irá sobreviver e herdar esse legado – e não, isso não é spoiler, porque fica bem claro isso NO COMEÇO DO MANGÁ -).
Além de tudo isso, temos um autor que sabe trabalhar com todos os elementos que já cite (de maneira direta ou indireta), logo temos uma excelente safra de momentos tensos e gore. O Usamaru não é um autor que, aparentemente, se importa com levezas e, devido a isso, pesa a mão de uma maneira tão psicológica quanto visual. Ele não precisa criar quadros e mais quadros de violência incessante, aqui são os diálogos e os momentos chaves que mexem com o leitor e, ao término da leitura, você se pega surpreso e, de certo modo, na bad.
Aqui no Brasil o mangá foi publicado pela NewPop no começo de 2017, com a qualidade que, de modo geral, já é padrão da editora e, até então, sem nenhum erro de revisão por parte dos diálogos (li duas vezes e não peguei nada de errado, mas se tiver, erro meu). Vale a menção que, o valor de capa da obra é R$ 24,90, valor esse que pode assustar alguns, porém é importante ressaltar que a editora lança com foco maior em livrarias e lojas especializadas (atualmente acho que não temos nenhuma obra dela em banca) – logo, cabe a matemática básica de distribuição menor + menor tiragem = custo um pouco acima -. Mas mesmo com esse valor é uma obra que vale os reais investidos.

Afinal, porque essa obra está na estante?

Honestamente, essa é uma obra que eu já queria – há tempos – comentar sobre, em especial porque meu primeiro contato foi através do filme (que, salientando, não falarei tão cedo por aqui... quem sabe em um podcast sobre filmes gore, mas não garanto) e, posteriormente, li o mangá. Contudo é um mangá que, atualmente, considero um achado em tanto para a estante minha/do Dollars, em especial por ter envolvimento do Furuya que é um autor incrível e perturbador nas coisas que escreve.
Além disso, Suicide Club é uma obra que se sustenta dentro do gênero ao qual faz parte e muito agrega no resultado final da obra, servindo bem como uma versão alternativa da versão cinematográfica. Em suma, é uma obra que eu recomendo a compra, em especial por você conseguir achar em conta – dependendo de onde se procura -. Claro que, só recomendo para quem for fã do gênero horror, do contrário passe longe.

Ficha técnica:

Suicide Club
Autor: Usamaru Furuya
Tamanho: 15 x 21 cm
Nº de págs: 168
Preço: R$ 24,90
Onde comprar: Amazon/loja Newpop
Postar um comentário

Follow by Email