segunda-feira, 5 de março de 2018

Análise semanal – Boku no Hero Academia #162 - #173


Aquele compilado maroto que junta o melhor de tudo que ocorreu no mangá; ou resumindo, um pack bacanudo com todos os minis arcos.
Apesar de toda demora, todo tempo sumido, eis que estou de volta com essa análise que, sinceramente, é divertida de fazer. Porém, antes de prosseguirmos quero deixar algumas ponderações aqui e alguns pedidos (acho justo com todos).
Antes de tudo é importante explicar que demorei a retomar essa análise por motivos de estudo de viabilidade; afinal estou analisando capítulos de algo que saí, oficialmente, em solo brasileiro. Logo, após muito ponderar, decidi retornar, contudo também vou sempre deixar linkado onde vocês podem encontrar a edição nacional, pois já é um grande trabalho licenciar a obra, agora que ela está aqui cabe a nós apoia-la; sem contar que, além dela, também temos o spin-off da série (o My Hero Academia SMASH!!, que já fiz texto sobre) saindo por aqui.
Por isso não deixem de apoiar o material licenciado e comprem nos links que estarão no final do texto (sim, vou fazer merchan em Boku no Hero, porque é uma obra que vale a pena). Agora, sem mais delongas vamos à análise!

Capítulos #162 - #173

Doze semanas sem escrever nada sobre a série. Foram longas semanas, porém muito a obra ganhou em corpo no seu roteiro; pois vimos personagens evoluírem, momentos divertidos se tornarem uma constante e o surgimento de uma nova pedra no sapato, tudo isso dentro de momentos que realmente nos atraem e mostram que o Kohei faz, cada dia mais, por onde ser criador da obra que está, de certo modo, no big three atual da Jump.
Creio que é sempre importante ressaltar que uma das maiores mudanças implicam muito em como a narrativa segue se sustentando em nos ampliar ideias. Ampliar pontos de vista, pois tivemos desde um Deku que recebe um incentivo a mais do Mirio, até o Endevor pedindo conselhos ao All Mighty. Aqui é onde todos precisam se achar, precisam crescer e desenvolver e isso é bem trabalho. Bem escrito.
Ver como tudo aqui é bem distribuído, soando como um imenso respiro – pelo menos em 90% dessa leva – é gratificante e ajuda o próprio leitor da obra a relaxar enquanto desfruta da leitura; tanto que um dos momentos que mais gostei foi quando descobrimos que terá um festival cultural. Isso ajuda a crescente da série, pois nos dá um momento de descontração e isso torna toda narrativa ainda mais divertida. Isso sem contar que, ainda, temos um momento para descobrir os dotes musicais de alguns membros da classe A (Bakugou sendo um bom baterista é um charme a mais).
Se pararmos para pensar o Bakugou e Todoroki foram aqueles que tiveram maior tempo para serem bem trabalhados e, no caso do segundo, terem um progresso legal em suas tramas. Claro que, nesse ponto, - volto a dizer – evidencio mais o Todoroki, porque foi bonito ver o Endevor dizendo que faria o filho se orgulhar dele e tentando corrigir um pouco sua rota de herói. Isso nos ajudou até a observar a questão de foco que cada um pode ter, pois o All Migthy queria ser um símbolo a ser seguido, o Endevor nunca foi desse tipo de pessoa, devido a isso fica ilógico ele querer seguir esse rumo; e nesse ponto é que temos uma boa construção para desenvolvimento.
Além de tudo isso, ainda tivemos o retorno da Eri, que mesmo com poderes contidos, precisa ficar sob cuidados e vigilância para que não dê outro surto de seu poder. Todavia é bacana ver a interação dela com o Mirio e com o Izuki, o trio rouba bem a cena e nos deixa encantados com o apego que a garota tem pelos dois aspirantes a herói.
Creio que, nesse ponto que é bom uma menção, pois os três, meio que, se ajudam a superar o que passou, pois, ao seu modo, cada um sofreu uma sequela do arco passado e ela seguirá com eles. E isso é algo que eles precisam superar, no caso da Eri é uma marca da vida e os garotos hão de ajuda-la, isso é certo, mas quero ver como isso se desenvolverá cada vez mais.
No fim dessa leva, temos o fechamento de capítulo mais divertido que se tem notícia, com um momento que, particularmente, achei engraçado. Ele fecha de uma forma que desperta curiosidade do que ocorrerá no próximo capítulo. Indo além, quero ver como o Kohei irá discorrer todo esse arco e nos presentear com algo interessante.
Off tópic: Conforme disse lá em cima, segue, abaixo, os links para adquirir o mangá de modo oficial.
Postar um comentário

Follow by Email