sábado, 5 de maio de 2018

Primeiras Impressões – Cardfight!! Vanguard (2018)


Remake da série consegue surpreender em nos entregar uma história baseada no mangá e que complementa pontos apenas citados na primeira animação.

Primeiramente, devo admitir que muito da minha demora com as primeiras impressões de abril se deviam, em especial, a essa estreia que comentarei hoje, pois esse foi o único animê que depositei real hype e, devido a isso, acabei focando demais em uma obra especifica.
Em todo caso, hoje foi exibido o primeiro episódio e, em primeira mão, trago as primeiras impressões sobre esse remake. Então preparem seus decks e vamos nessa!

Sinopse:

A nova temporada embarca em uma nova história com Aichi e Kai voltando como principais protagonistas. O público também encontrará muitos personagens queridos como Misaki Tokura, Kamui Katsuragi e Ren Suzugamori que aparecem nesta temporada.

Considerações Gerais:

Resultado de imagem para Cardfight Vanguard 2018Admito que, mesmo com todo hype existente em mim, eu estava receoso em receber um episódio inicial que fosse, basicamente, uma releitura do primeiro episódio produzido em 2011; mas, para felicidade de todos o que nos é apresentado é algo mais completo e, de certa forma, competente.
Sim, temos momentos semelhantes – como o Morikawa roubando o Blaster Blader, porém é feito de uma nova maneira e isso funciona dentro da narrativa proposta que nos é oferecida. Claro que muito disso se deve a ideia de seguir o conceito do mangá que o Akira Itou é responsável, o que ajuda muito, em especial na constância gerada no character design.
Mas me atendo aos pontos centrais aqui; primeiramente o roteiro; pois temos algo que fluí bem e constrói toda um conceito de modo sólido e bem feito. Realmente houve uma preocupação em desenvolver uma rápida relação prévai Aichi e Kai, assim como justifica o Blaster Blader doado para o pequeno Aichi. Mais do que isso, toda construção inicial ajuda, inclusive, no entendimento do roteiro e de como jogar o cardgame.
No caso do roteiro, é por ele construir algo prévio e não ficar aquela sensação de correria no desenvolvimento; já no caso do cardgame... podemos sintetizar isso com a explicação bem clara do Kai sobre todo conceito de imagine que a série utiliza. Nesse episódio ele esclarece bem as informações sobre o planeta Cray e sobre como funciona o jogo, tudo isso de uma forma funcional e que te faz comprar, verdadeiramente, a ideia de unit de outro planeta que sela um contrato com você quando se aceita ser um cardfighter.
Resultado de imagem para Cardfight Vanguard 2018
Além disso – e ainda mencionando os personagens -, devo dizer que o design está lindo e, esse primeiro episódio, está com uma animação bonita e atrativa para quem ainda não teve contato com a obra. Posso dizer, sem medo, que usar o mangá como base para o character design foi um bom acerto e merece parabéns.
Já na parte de soundtrack, podemos dizer que segue na mesma competência que a série sempre teve. Não é algo que se destaque, mas não faz feio; apenas funciona e isso é bom, dado que a série é totalmente feita para ser o padrão ok (até pela possível quantidade de episódios é assertivo essa decisão).
Porém creio que o principal ponto da série, que são os duelos, em nada ficará devendo para o que já tivemos anteriormente a julgar pelo preview que nos foi apresentado. Mas até aqui tudo funcionou de uma forma consistente e empolgante, de modo que o aguardo para o próximo episódio se torna ainda maior.

Afinal, vale a pena?

Esse é um dos poucos animês que digo “sim, vale muito a pena”, pois ele é exatamente um recomeço. Um recomeço com qualidade e que corresponde as expectativas nele depositadas; claro que não recomendo se você for daqueles que esperam um animê cabeça ou centrado pacas, mas se você deseja uma obra divertida e com foco em cardgames, só venha que você achou sua obra.
Aqui tem tudo que tornou Vanguard um dos meus animês favoritos, contudo ainda foi acrescentado melhorias, valorizando ainda mais o produto final e tornando ele ainda mais atrativo. Garanto que os 24 minutos na frente da tela valerão a pena.
Ps: Para quem quiser acompanhar semanalmente, o canal oficial do youtube disponibiliza os episódios em Japonês com legendas em inglês (a partir do dia 25 de maio começa a disponibilizar com dublagem em inglês). Já via streaming, não temos nada, porque, apesar dos direitos serem da Crunchyroll americana (que também lançará o animê), por aqui nem sinal.

Postar um comentário

Follow by Email