quinta-feira, 24 de maio de 2018

Primeiras impressões - Future Card Buddyfight

Série baseada em cardgame é mais uma das provas de que, sim, há potencial infinito onde menos se espera.

Ok, admito que estou deveras atrasado com esse post, mas, de forma geral antes tarde do que nunca, em especial se levarmos em conta que animês sobre cardgame não são as coisas mais fáceis de se encontrar nessa imensidão chamada internet. Enfim, sem mais delongas vamos ao tema das minhas primeiras impressões de hoje.
Vamos falar sobre Future Card Buddyfight, outro animê de TCG da Bushiroad. Então, sem muito disclaimer vamos lá! Open the Flag!

Sinopse:

Por volta de 2030, a Terra tem sido associada a um mundo paralelo de monstros e magia através de um novo jogo de cartas colecionáveis chamado Future Card Buddyfight. Usando um Buddy Rare como um portal, os humanos normais podem se tornar parceiros com um monstro e chamá-lo para lutar contra outros jogadores de Buddyfight. Como alguns humanos optam por usar o poder do seu amigo para cometer crimes, uma agência chamada Buddy Police rastreia e confisca os baralhos daqueles que violam a lei. Mikago Gao é um jovem lutador de artes marciais que anseia se tornar um Buddy com o sangue quente Drumbunker Dragon. Recebendo um Core Deck Case de Ryuuenji Tasuku, um prodígio Buddyfight que trabalha para a Buddy Police, ele dá seus primeiros passos no fantástico mundo de Buddyfight.

Considerações gerais:

Resultado de imagem para Future Card Buddyfight

Primeiramente é importante citar/mencionar que estou falando de um animê que JÁ ESTÁ CONCLUÍDO NO JAPÃO! Sim, caso isso seja algo ainda desconhecido, fica a informação que essa primeira temporada foi exibida de janeiro de 2014 até abril de 2015 tendo um total de 64 episódios. Porém, nesse post de hoje, irei falar apenas dos dois episódios iniciais, pois fica algo mais sucinto e vocês já ganham uma base do que irei focar no review da série.
Antes de prosseguir, creio que não deva ser segredo para ninguém que irei falar de todas as temporadas da série a media que conclui-las, certo? Se sim, então vamos nessa!
Creio que a primeira coisa que merece atenção, nesse caso, é que a série se baseia em um cardgame de mesmo nome da Bushiroad (a mesma empresa de Vanguard para quem não associou o nome); porém toda questão de jogabilidade aqui é mais complicada... de certo modo; pois as regras são explicadas de modo simplista no animê e na internet não se acha tantas informações sobre o jogo (sério, só achei um resumo BÁSICO na Ludopédia e, tipo, é O BÁSICO DO BÁSICO).
Mas no caso do animê, podemos dizer que ele consegue passar bem o estilo de jogo, mesmo sem explicar direito o jogo. Confuso? Sim, mas vamos explicando aos poucos essa questão porque, antes disso, é importante esclarecer que temos em mãos um roteiro extremamente simples, porém bem feito. Não existe uma trama muito complexa para situar toda vinda do Drum para nossa terra arrumar um Buddie, assim como não há muito complexidade no Gao; ao menos nesse primeiro momento.
Outro ponto a citar sobre o começo é que tudo nos é apresentado de modo competente e sem, necessariamente, cagar regra a torto e direito. Funciona bem e temos uma noção do porquê a galera gosta do jogo - porque é o jogo do momento e porque você pode conseguir um monstro de outra dimensão como seu parceiro, basicamente isso. Sei que pode soar bobo, mas é interessante e claro para quem está assistindo e, sim, isso é extremamente positivo.

Imagem relacionada

Fora isso é preciso mencionar que os personagens são o ponto mais alto da série e digo isso no sentido de carisma, porque o pouco que nos é apresentado de todos, ficamos com aquela sensação de que são personagens que possuem um estilo próprio e, apesar do gosto pelo cardgame do momento, são pessoas com um estilo diversificado; destaque maior, com certeza, fica para o Gao - nosso protagonista - porque ele é um protagonista que consegue ter uma imposição de presença muito forte e, para o conceito de obra que precisa se comunicar com seu público (geralmente a garotada até uns 12 anos e marmanjos, como eu, que curtem TCG), isso funciona e ajuda a dar uma cara diferenciada para série.
Vale citar que toda parte de animação ficou a cargo do estúdio XEBEC e, particularmente falando, curti o estilo que foi empregado na série. Ficou algo que tem vida e cada personagem tem sua personalidade/design bem definidos, o que ajuda a lembrar de cada um deles. Além disso também temos um uso de CGi que não é aquela maravilha, mas está lá né - particularmente prefiro quando os buddies (monstros) estão em 2D, fica algo mais bonito e menos agressivo aos olhos.
Já quanto ao aspecto sonoro, podemos dizer que tudo se encaixa bem e cumpre o que se propõe. Não sendo algo que tira o brilho, mas também não sendo um destaque excessivo. Em suma, é algo ok.

Afinal, vale a pena?

Assim, se você for fã de animês do estilo cardgame ou quiser algo diferente, vá na fé, porque esse animê será uma excelente pedida, sem contar que irá te divertir bastante. Até porque, não é todo dia que encontramos um animê de cardgame que se foca mais em contar uma história do que em ficar explicando sobre o jogo (se explicasse de maneira INTERATIVA seria bom também, mas enfim).
Agora... se você não é chegada(o) em obras com essa temática, nem perca seu tempo; pois não é algo que você irá se atrair ou seguir assistindo. Ok que pode ser que você veja o primeiro episódio e ame, todavia me arrisco a dizer que você seria a exceção e não a regra.
Ademais, essa é uma obra que terá review aqui no site e, sim, tem canal oficial no Youtube para quem desejar ver a série inteira com legendas em inglês ou dublagem em inglês.
Postar um comentário

Follow by Email