domingo, 15 de julho de 2018

Análise semanal – Cardfight!! Vanguard (2018) #10

O vento logo se tornará uma tempestade”

Com um considerável atraso, eis que enfim estou trazendo a análise do episódio 10 de Vanguard, porém, antes de qualquer coisa, é importante informar que teremos a análise do episódio 11 ainda nessa semana e que essa análise só está saindo com esse atraso devido a algumas mudanças no meu cronograma da semana.
Mas enfim, sem mais delongas vamos à análise porque o duelo do episódio foi show de bola e conseguiu dar uma ideia de como funcionará algumas coisas futuras.

Episódio #10 – O Vento de Aichi


Sinceramente, não dá para começar essa análise sem dizer que eu estava esperando algo no nível que foi apresentado. Foi algo que correspondeu o hype e criou um clima para todas as possibilidades que virão adiante, indo além, dá para dizer que esse episódio abre uma brecha imensa para tudo que será abordado no próximo arco, porque é um começo mais bem planejado para criação da habilidade que o Leon chama de vento, mas que tem outro nome e logo será dito.
Mas começando pela parte da animação (dessa vez começarei diferente), porque nesse episódio nos foi apresentada uma animação fluída e que trabalhou bem até os frames parados, dando a sensação de movimento no tempo certo e tendo um timming bem legal nas cenas de batalha, foi algo que souberam fazer com uma qualidade ímpar e conseguiram criar uma atmosfera digna de duelo decisivo.
Confesso que achei bem pensado toda exploração que foi dada ao Aqua Force, porque foi algo que apresentou bem o clã em questão de jogabilidade. Sem contar que mostrou, de forma sutil, como o Leon consegue interagir e se comunicar bem com as cartas que pertencem ao clã – mais precisamente as unidades que compõe seu deck. Esses dois fatores são bons, pois contribuem para que nós, espectadores, simpatizemos com o pequeno herdeiro da família Soryu.
Já na parte do Aichi, pudemos conferir a evolução dele e ver como uma carta pode fazer a diferença em questão de combo dentro dos Royal Paladin; foi ver o primeiro contato dele com o vento e conferir essa primeira aparição do Alfred dentro do deck de nosso protagonista que nos fez perceber como ainda podem trabalhar muito ele em vários pontos e aspectos, sem contar que uma das diferenças vindouras será justamente o deck utilizado por ele quando a compreensão com relação ao vento vier (porque ela virá e nos trará momentos bem interessantes).


Quanto ao duelo, se compararmos com o duelo do Kai contra o Koutei (que também ocupou um episódio inteiro), ele foi bem trabalhado e conseguiu dividir bem o tempo de tela para todos sem fugir do duelo ou gerar algum protagonista – mesmo que tenha dado a entender que poderia acontecer, o que teria sido um senhor erro.
No mais, dá para dizer que o final do episódio conseguiu gerar a expectativa certa para o episódio seguinte, em especial porque todos já queriam ver o Gouki contra o Kamui. Era algo que não seria justo ficar sem ocorrer, até pela rivalidade que foi apresentada entre ambos.
Agora é aguardar o episódio #11 para vermos o confronto entre homens e, enfim, concluirmos essa primeira leva de episódios. Contudo dá para adiantar que até aqui tudo está bem interessante e conseguindo criar um background bem amarrado para tudo que virá adiante. Espero que sigam assim e empolguem cada vez mais.
Postar um comentário

Follow by Email