sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Análise semanal - Cardfight!! Vanguard (2018) #16

Suzugamori Ren está entre nós!

Chegando mais uma análise de Vanguard e, desta vez, mais cedo que o esperado (ou não né, vai que você está lendo isso semanas depois de publicado); enfim... posso dizer que aos poucos estou ajustando meu cronograma e a tendência é que as análises saiam cada vez mais antecipadas, até sair no mesmo dia que o episódio é publicado no canal oficial do Youtube da série.
Antes de seguirmos para análise, apenas mencionando que o animê spin-off com foco nas sereias do Triangle Bermuda já tem data para sair; sendo que a programação é estrear em janeiro. Caso queira ler a notícia completa, clique aqui e confira. Também deixando informado que pretendo trazer algumas novidades envolvendo Vanguard.
Então, sem mais delongas, vamos à análise desta semana.

Episódio #16 - Seus Respectivos Sentimentos


Posso dizer que este episódio foi dentro do que eu esperava em desenvolvimento, porém com algumas surpresas bem positivas. Desde o duelo entre a Misaki e a Asuka, até os encontros no final do episódio; tudo teve o encaixe certeiro e funcionou de uma forma que criou a expectativa certa para o momento deveras oportuno. Foi aqui onde as peças se organizaram de um modo que vai nos render algumas surpresas interessantes daqui em diante.
Comecemos com a parte Misaki vs. Asuka, até porque esse foi o principal foco do episódio e o próprio duelo foi trabalhado em cima das convicções delas com personagens. Sinceramente foi um duelo que nos ajudou a compreender melhor a Misaki como personagem e integrante calculista do Q4; diversos momentos dela nos deixa claro como funcionará as motivações dela para seu crescimento. 
Com relação a Asuka, podemos dizer que muito da convicção dela se refere a superioridade que possuí por ser top 3 do AL4, sem contar o fator dela já ter derrotado o Miwa anteriormente, logo isso foi bem trabalhado para mostrar o quão implacável ela consegue ser durante o duelo e como conseguimos ter uma boa apresentação dela.
Por falar em apresentação, dá para mencionar que o Ren, mesmo aparecendo pouco, conseguiu roubar os holofotes do duelo. Enfim ele se apresentou de uma forma mais direta e tivemos uma pequena prévia do quão bem ele domina o PSYqualia; posso resumir esse tópico dizendo que aqui temos o mesmo Ren da primeira versão: calmo, com tom de voz desligado, mas que conhece o fluxo do duelo e sabe como dizer isso de uma forma tranquila, como se fosse uma brincadeira. Além disso, conforme o preview nos entrega, teremos um duelo Ren vs Misaki no próximo episódio; logo podemos aguardar um momento interessante à nossa frente. 
Voltando ao comentário do duelo (porque me perco na linha narrativa aí vem essas pérolas); posso resumir todo duelo comentando que tudo seguiu um fluxo baseado em reviravoltas e exploração de ambos clãs. Claro que ficou clara a vantagem que os combos de Pale Moon leva em consideração a qualquer outro deck que exista até o presente momento, mas ainda assim foi interessante descobrir outro efeito da carta às do Deck da Misaki. Foi algo que souberam trabalhar em primeiro momento - e espero que saibam manter esse trabalho direito, porque já temos personagens "saco de pancadas" demais para 16 episódios.


Além de todo foco no duelo e na aparição do Ren, este episódio começou o trabalho em dois núcleos que terão um desenvolvimento futuro interessante - em especial quando vemos a forma de encaixe deles. Primeiramente temos a exploração no núcleo Kamui, Aichi e Kyou, sendo que o último diz que está fora do Foo Fighter e deseja vencê-los com a ajuda do Aichi; porém já ficou claro que a ideia do ex-AL4 é fazer o Aichi despertar plenamente o PSYqualia para usufruir disso (aprendendo a habilidade); contudo, há uma possibilidade imensa disso dar ruim, em especial porque nosso protagonista pouco conhece de como se usa essa habilidade e não tem noção se isso pode ser destrutivo.
O segundo ponto se foca na relação entre o Kai e os membros do Foo Fighter, porém já ficou claro que teremos um duelo Kai vs Tetsu, a julgar que o braço direito do Ren seguiu o Kai até o parque (estou tentando contextualizar tudo, mas é difícil fazer isso escrevendo apenas) e começou aquelas típicas apresentações de desafiante. Porém acredito que, em caso de duelo, podemos ter a certeza de que o confronto será de alto nível; até porque seria uma boa apresentar os Dark Irregular em uma batalha bem planejada.
No fim das contas tivemos um episódio que montou boas situações para os próximos episódios e soube construir uma escala crescente com certa qualidade de roteiro e, além disso, ainda sabe quando usar a equipe de animadores promissora. Meu maior desejo agora é que a qualidade se mantenha e essa crescente não seja quebrada de forma abrupta.
Postar um comentário

Follow by Email