sábado, 12 de janeiro de 2019

Estante do Dollars - Boa Noite Punpun #1 & #2


A vida como ela é, só que com uma visão diferente

Preciso confessar que, conforme já falei em alguns outros "estante", eu tenho uma certa facilidade em pagar pela língua. É de praxe, basta eu desdenhar da obra que, quando a adquiro, acabo me surpreendendo e amando aquele determinado material; só nesse ano que se passou tiveram várias obras assim.
A obra que entra na estante hoje é, claramente, um exemplo disso, pois não dei nada para a série e após ler os dois volumes iniciais - que saíram no mesmo mês -, me peguei surpreso e espantando com aquilo que li. Então, se acomodem em suas camas e vamos falar sobre o pequeno Punpun. A estante tem alegria em dizer que falaremos sobre "Boa noite, Punpun". 

Sinopse Oficial:

Num primeiro momento, Punpun lida com os problemas de sua família, com o pai alcoólatra e a sua mãe, que tenta ser flexível e tolerante com o vício do marido. Já no colégio, ele se apaixona por Aiko Tanaka, e passa a segui-la no caminho de volta para casa. Notando isso, a garota se aproxima do jovem e passa a ter conversas regulares com ele. Os temas mais comuns são os sonhos que os perseguem, visões do futuro e o que pretendem fazer quando adultos.

Considerações gerais:

Resultado de imagem para oyasumi punpun

Escrito e ilustrado por Inio Asano, Boa Noite Punpun (ou Oyasumi Punpun no original) foi publicado de Março de 2007 até Novembro de 2013 inicialmente pela Young Sunday e posteriormente migrou para a Big Comic Spirits - a obra mudou de revista em 8 de Outubro de 2008. Ao todo, a série tem um total de 13 volumes encadernados e é considerada, por muitos, o ponto alto da carreira do Inio-sensei. 
Além disso, é importante mencionar que a obra já foi recomendada pelo júri no 13º Japan Media Arts Festival Awards, em 2009; o que mostra o quão incrível ela é (claro que também vale mencionar que ela já foi publicada em diversos países ao redor do mundo). Aqui no Brasil a obra aportou em Dezembro do ano passado, com direito ao lançamento dos dois volumes iniciais.
Mas vamos ao que interessa, pois se a obra é considerada o ponto alto de um autor que consegue sempre criar algo incrível, ela deve ter algo a mais e, o que quer que seja, tem que ser algo que realmente faça a obra merecer essa alcunha. Pois bem, ela tem. E devo admitir que é algo que me arrebatou logo nas primeiras páginas, pois aqui temos um roteiro de slice of life que sabe onde quer chegar, porém não tem pressa disso e nem quer tirar seu deleite em acompanhar o crescimento do Punpun.
Tudo aqui é trabalhado com um ritmo ímpar e que consegue construir ao pouco a personalidade do nosso protagonista, o afundando em um lamaçal de escuridão que nos impressiona. É uma construção que nos faz ver as situações de um modo que cria um imenso contraste, pois temos um mundo real e palpável aos olhos de um personagem que se enxerga como um passarinho (muito mal desenhado por sinal). O mais incrível é que ele só enxerga ele e sua família dessa forma, todos os outros personagens são normais e isso é o que torna todos ainda mais humanos, porque há uma realidade ainda mais cruel por de trás de toda família do nosso protagonista.
Além disso é importante mencionar que, conforme o enredo se desenvolve, mais você nota o quão humano e inocente o Punpun é no começo, tanto que com o passar dos capítulos vemos que ele vai perdendo essa inocência e pureza, se achando em dilemas que geram uma profunda marca nele e lhe dando um caminho sombrio nos seus próximos passos. Muito disso se ao primeiro amor dele e como essa relação se desenvolve, pois é um sentimento que ele leva consigo durante todo seu período fundamental até o colegial. Porém essa é apenas um dos diversos problemas que nosso protagonista carrega consigo e o roteiro consegue trabalhar todos os pontos de uma forma magistral e faz uma mescla bem inteligente dos momentos, nos dando sempre um respiro e sendo eficiente quando precisa mostrar o quão fundo o Punpun vai chegando. 

Imagem relacionada

Com relação a arte, dá para adiantar que, honestamente, ela é excelente em todos os aspectos. Inio Asano consegue provar que ainda está em boa forma e dá um show a parte em tudo que diz respeito a narrativa. Ele sabe trabalhar enquadramento e sabe como nos guiar ao longo das páginas, nos fazendo ler de forma voraz e esperar por mais.
Temos um autor que entende bem o que faz e cria personagens que nos levam a diversas reflexões sobre o dia- a-dia, nos entregam uma imensa margem de interpretações, pode parecer simples nas primeiras páginas, contudo quando você encerra um volume, você se pega absorto naquela psique do protagonista e fica na expectativa de ler o que virá adiante. Se torna uma meta saber como tudo terminará e como ele evoluirá na trama.
Claro que não pode ficar de fora a menção ao fato que sempre há repetição do título ao longo dos volumes, pois, como já deve ter ficado óbvio, o título é uma frase costumeira. Todavia aqui, sempre há ou houve um fato entre esse momento, logo é uma característica que marca a narrativa e te faz gravar o nome da obra (fora o deus afro que o Punpun cultua, mas enfim... leiam para saber mais).
Como eu disse anteriormente, a obra foi lançada em diversos países, porém aqui no Brasil ela só veio aportar no final do ano que passou, sendo uma publicação da Editora JBC, que optou por lança-la em formato Big, uma decisão que foi acertada, em especial por tornar a obra mais curta.
Por aqui a obra saiu no formato 13,2 x 20 cm em papel Lux Cream, sendo que os dois volumes iniciais saíram no mesmo mês pelo preço de capa de R$ 44,90

Afinal, porque está na estante?

Resultado de imagem para oyasumi punpun

Honestamente, na época do anúncio eu não dava nada para a obra. Confesso que até cheguei a acha-la superestimada pelo hype que a galera criava, porém, após leitura do primeiro volume (que comprei no Ressaca Friends) me vi absorvido naquele universo que o autor compôs; fiquei ansiando por mais e na madrugada do natal simplesmente devorei o segundo volume da obra, fazendo eu me tornar mais um dos que recomendam essa obra para toda e qualquer pessoa.
Dito isso, acredito que Boa Noite, Punpun é um mangá que deve ser lido por todo amante de uma boa obra quadrinizada independente da linha narrativa, afinal estamos falando de um mangá que consegue dialogar com o mais diverso público e ainda consegue gerar uma reflexão interessante. É um mangá que vale a pena ter na estante, em especial por ser algo que será lançado por temporadas. Super indico e recomendo.

Ficha técnica:
Boa Noite, Punpun #1 & #2 (Editora JBC)
Autor: Inio Asano
Formato: 13,2 x 20 cm
Nº de Págs: 432
Preço: R$ 44,90
Onde Comprar: Amazon
Postar um comentário

Follow by Email